Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Hipster Chique

humor . coisas . nerd . fluente em klingon . criativa - ish . comics . opinião

A Hipster Chique

humor . coisas . nerd . fluente em klingon . criativa - ish . comics . opinião

12
Jun18

DO ÓDIO À SAUDADE

A Hipster Chique

Ainda há pouco tempo te conheci...

não foi amor à primeira vista mas eu sabia que estavas lá, eu sabia que pensavas em mim e acho que tu tinhas conhecimento que não me eras indiferente.

Tínhamos a nossa própria linguagem, as nossas diferenças musicais e não me posso esquecer dos nossos cruzamentos televisivos porque quem nunca viu “Foi Assim Que Aconteceu...” com a banda sonora da “A Única Mulher” nunca irá entender esta nossa conexão.

Tivemos os nossos altos e baixos e até nos piores momentos eu sabia que no fim do dia estavas do outro lado da parede.

Mesmo com esta nossa efémera história sei que fui importante e que mantive a tua vida um pouco mais interessante e activa... até hoje.

 

Hoje acordei sabendo que algo estava diferente. Vi-te com outro alguém, outro alguém que não eu que parecia ter tomado o meu lugar... e tomou.

De repente já não pensavas em mim e quando os nossos caminhos se cruzaram eu percebia que atravessava terreno desconhecido.

Eu ouvi a minha música e não a tua e na hora do tão esperado entretenimento audiovisual eu já não era a tua única mulher e continuava sem saber como aconteceu...

Agora deves fazer cruzamentos televisivos com a “Linha Aberta com Hernâni Carvalho”, graças à box que o outro alguém instalou.

 

Eu perdoo-te... eu vou esquecer e vou seguir o meu caminho, lembrando sempre que um dia fizeste parte da minha vida.

Mas lembra-te, as cuecas do Charlie Brown são minhas e eu sei ser responsável por elas, não precisas de te preocupar com aquilo que penduro na janela.

 

Este texto é dedicado a todos aqueles que tiveram aquela vizinha (porca) do lado que vos fazia a vida negra mas que de repente vos troca pela nova vizinha que se mudou para o segundo esquerdo levando com ela todos aqueles ataques diários que faziam a vossa vida um pouco mais interessante...

 

Eu não lhe dei o devido valor e hoje... passei do ódio à saudade.

 

 

A Hipster Chique

07
Mai17

#dia 113 - Carta aberta à minha mãe

A Hipster Chique

Olá mãe,

 

é a tua filha, em caso de não teres reparado ainda. Sei que acompanhas este blog há algum tempo e já deves estar um pouco traumatizada comigo ou pelo menos a pensar em deserdar-me. Mesmo assim há umas coisas que te quero dizer...

 

Mãe, todos precisam admitir as suas falhas e tu tens de admitir as tuas... tu não és boa ao tiro ao alvo, aquela frigideira nem me passou pela orelha e era suposto ir parar ao nariz. Acho que nem com prática lá vais, mas eu gosto de ti na mesma.

Sabes quando tens aquele hábito horrív... 

E sabem que mais, este podia ser mais um post de humor d'A Hipster Chique em que eu fazia a vida negra à minha mãe, mesmo gostando dela mais que muito, mas não. Este post, a partir de agora, mostrará talvez o meu lado mais sensível e caramba, como tento esconde-lo.

 

Eu nasci há mais ou menos 25 anos e desde o dia do meu nascimento que penso que na minha cabeça algo esteve sempre presente, a minha mãe. 

Podia estar chateada porque ela não me dava aquele rebuçado, mas continuava a precisar de vê-la todos os dias e para além disso a minha madrinha dava-mo às escondidas, desculpa mãe...

 

Nunca fui de demonstrar muito os sentimentos, por coisas alheias a mim própria e desde cedo tive uma relação um pouco complicada com a minha mãe, nunca por culpa dela e sinceramente, nem minha. Fomos um pouco vítimas da vida.

A questão é, eu voltaria atrás no tempo para modificar essas coisas? Claro que não!

Eu e a minha mãe precisamos das discussões, dos choros, dos problemas da vida e dos problemas por nós causados e até da distância para podermos chegar onde chegamos... ao dia de hoje.

Hoje eu e a minha mãe temos a relação que eu sempre quis. Eu falo com ela sobre (quase) tudo, porque até nas relações entre mãe e filha deve haver um pouco de mistério.

Eu preciso dela e ela de mim. Fico orgulhosa de ela aprender a finalmente mandar mensagens e que faça chamadas de Skype comigo.

 

A minha vida não tem de ser perfeita, até porque não gosto dessa palavra. A minha vida é boa, eu sou feliz e grande parte se deve à presença da mulher que me criou, à mulher que discutiu comigo e à mulher que por vezes pensei odiar, o que nunca foi verdade.

O que sinto é orgulho, amor, saudade e amizade.

 

Se mudaria alguma coisa entre nós? Sim... a distância. Amo-te muito mãe!

 

P.S. Um feliz dia da mãe também para as minhas mães adoptivas, Orca e Xana e minha segunda mãe, a minha madrinha.

 

A Hipster Chique

 

A criatura que escreve

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

EU ESCREVI ISTO... COMPRA!

Comentários recentes

  • Sofia

    Boas férias!

  • Gorduchita

    Continuação de boas férias! :)

  • Paula Rocha

    Os 27 assustadores!!!!!!!!!!Não digas isso.Então q...

  • P. P.

    Quanta inveja desse verde.Aproveita.Ah, e os 27 nã...

  • A Desconhecida

    Até já! Os 27 é para celebrar em grande!!

Links

  •  
  • Arquivo

      1. 2018
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2017
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D