Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Hipster Chique

As trivialidades de uma geek, talvez um pouco hipster, com algum sentido de humor e criatividade q.b..

A Hipster Chique

As trivialidades de uma geek, talvez um pouco hipster, com algum sentido de humor e criatividade q.b..

Qui | 17.08.17

O Sítio . Capítulo XVII

CAPÍTULO XVI

 

 

CAPÍTULO, O DÉCIMO SÉTIMO

 

 

Não podia ser coincidência. Ambos tinham a mesma tatuagem no pulso e não se lembravam onde tinham feito e o que significava... Seria algo relacionado com a Princesa Maionese? Será que o Barry está ligado a esta confusão toda?

 

Mesmo não parando de pensar na situação das tatuagens tinha de me focar na nossa entrada clandestina na O.P.I.M. e mesmo não confiando a 100% no Tobias, ele era a nossa única hipótese de sucesso. Já íamos em longa noite de planos e discussões, já tínhamos o mapa mas para entrar lá seria preciso muito mais do que reconhecimento do local.

"Tive uma ideia!", disse o Tobias.

"Conta.", disse.

"Eu ainda tenho poder lá dentro e antes de qualquer coisa penso que devia tentar falar com os prisioneiros em questão e saber também como nos podem ajudar. Afinal estamos a falar de um alien e de um ser humano que estudou aliens a vida toda.", explicou o Tobias.

"E que provavelmente fez mais que os estudar, certo?! Certo?", disse o Hugo rindo-se sozinho...

"Tudo bem. Mas houve confirmação da verdadeira identidade do Dr. Rato?", perguntou o Vasco.

"Sim. Segundo as informações que conseguimos recolher sobre a cria e os dados fornecidos na nave da Princesa Maionese, concluímos que o Dr. Rato é na verdade o Príncipe das histórias, João Hérnia, ou seja, o pai da cria.", disse o Tobias.

"O que planeiam fazer com essa informação? A O.P.I.M. não levava isto a fundo se não tivesse um plano por detrás.", perguntou a Ema.

"Tens razão, há um plano. O pai quer ter acesso a todas as informações possíveis sobre a cria. A ideia seria encontra-la antes da Princesa, agora o porquê, nem ele me diz.", disse o Tobias.

Continuamos a falar do plano do Tobias, que até era bom, mas porque iria querer o Capitão Douradinho Tio Viagem ter acesso à cria antes da Princesa? Bem, uma pergunta de cada vez...

Acabamos a reunião e o Tobias voltou para a O.P.I.M. e no dia seguinte depois das aulas tínhamos combinado uma reunião para falar sobre informações que ele conseguiu com a Princesa Maionese e o Dr. Rato. Já eu, fui dormir que estava bem cansada e tantas coisas na minha cabeça nunca era bom.

 

Acordei antes do despertador, era sexta-feira e como tal eu conseguia cheirar as panquecas de nabo que a minha mãe faz. Lá me levantei, tomei banho e fiz um pequeno show de karaoke na banheira ao som da música dos Pingos Soltos, Levitar Um Porco No Churrasco, fui à garagem e a Ema já tinha saído para a escola e fui tomar o pequeno almoço com os meus pais.

"Ai Jessyca rapariga, agora andas sempre com muitas companhias atrás de ti. Tu vê lá se são más companhias.", disse o meu pai.

"Não pai. São boa gente, não te preocupes.", disse.

"Eu não me preocupo filha, mas se descobrem que somos donos de uma farmácia ainda te pedem medicamentos e essas coisas e sabes que eu não sou dessas confianças. A não ser lá com o Virgem.", foi a resposta do meu pai que veio acompanhada de um olhar de esguelha da minha mãe.

"Sim pai. Vou para a escola que já estou atrasada.", disse.

Como ia distraída a ouvir a minha música, nem dei conta das horas e cheguei atrasada, mas assim que entrei na escola e fui logo para a aula de Matemática Nas Redes Sociais e a aula estava cheia. Tobias, Barry, Ema e Hugo olharam para mim assim que cheguei e todos levaram um pequeno cumprimento.

Sentei-me, levei com um sermão da professora e lá se passou a primeira aula, depois a segunda, a terceira e finalmente saímos. Penso que estávamos todos ansiosos para saber que novidades o Tobias nos trazia.

 

Estava na saída à espera dos outros quando sinto um toque no ombro...

"Olá Jess. Então, nunca mais disseste nada ontem.", era o Barry.

"Olá Barry. Desculpa, foi uma noite complicada. Como estás?", disse.

"Estou bem, ainda ando aqui a conhecer as redondezas. Tens aqui uma cidadezinha muito fascinante.", disse o Barry.

"É verdade.", eu não o queria despachar mas estava mais interessada na reunião que ia ter dentro de momentos, mas o Barry continuou...

"Mesmo. Vocês recebem muitos estrangeiros ou gente de fora? Digamos, tem muito turismo?"

"Temos algum. Tínhamos mais por causa dos Galetas, mas agora como estão em remodelações do estádio e substituição das equipas, não temos assim tantos turistas. Porquê?", perguntei.

"Por nada. Já tinha ouvido falar desta terra pela boca de um amigo e como agora aqui vivo apenas queria saber mais.", respondeu o Barry, sorrindo.

Antes que pudéssemos continuar a conversa, que estava um pouco estranha, vejo a Ema a fazer-me sinal, já na companhia do Vasco, do Hugo e do Tobias.

Despedi-me do Barry, pedi desculpa e meti-me em caminho com os outros para minha casa.

 

A nossa reunião teve lugar no que era definitivamente a sala de reuniões dos S.A.I.D.A.S. segundo o Hugo e assim que nos sentamos todos, direccionamos os nossos olhares para o Tobias, que falou...

"Tenho algumas notícias para vos dar."

"Desenvolve!", disse quase num grito.

"Calma... Então, eles transportaram a nave da Princesa Maionese para as instalações da sede da O.P.I.M. que fica em Ribeiro Baixo, perto do Ribeiro Alto para poderem fazer leituras biométricas de todo o hardware e software que a nave tem. Ainda não consegui descobri o que o meu pai quer fazer com a cria, mas tem algo relacionado com os laboratórios porque todas as pastas confidenciais sobre a mesma estão lá arquivados e quase ninguém tem acesso. Tentei falar com a Princesa, mas não me deixaram, muito menos com o Dr. Rato.", disse o Tobias.

"E não conseguiste mais nada? Podias ter dito isso por mensagem!", disse a Ema.

"Sim, podia, mas não ias querer saber por mensagem que tiveram a confirmação que a cria se encontra de facto no Sítio e há uma maneira de a identificar.", disse o Tobias.

"Como assim? Como soubeste isso e qual é a maneira?", perguntei.

"Eu tive acesso aos ficheiros da Princesa Maionese e por causa de uma coisa que tu me perguntas-te eu acabei por resolver o enigma.", disse-me o Tobias.

"Explica-te...", disse.

"Simples, tu perguntas-te sobre a minha tatuagem e a verdade é que eu não sei porque a fiz, mas descobri o quando. Sei que a tenho há menos de um ano. Agora não fui a nenhuma loja de tatuagens e não sei como a tenho. Mesmo assim depois de fazeres essa pergunta eu lembro-me de ter visto um símbolo parecido nos ficheiros da Princesa Maionese e segundo reza a história a Princesa lançou-se na busca pela cria e para desviar suspeitos, ela marcava os mesmos com tatuagens de ovos rachados até encontrar a sua cria que irá ter uma tatuagem de ovo inteiro.", explicou o Tobias.

"Então isso quer dizer que tu não és a cria?", perguntou o Hugo.

"E não só. Se tens essa tatuagem há menos de um ano, quem te fez? Estiveste em contacto com a Princesa e ela fez-te a tatuagem?", perguntou também a Ema.

"Sim, esta tatuagem ao que tudo indica é um sinal de que não sou a cria. E como fiz contacto com a Princesa há menos de um ano e lhe disse que a ajudava, ela deve ter-me marcado para desviar a possibilidade de eu ser a cria.", disse o Tobias.

 

Eu estava calada e apenas ouvia o que o Tobias contava e uma pergunta começou a rondar a minha cabeça, "Porque raio o Barry tinha a tatuagem?" e como tinha contado isso à Ema, não precisei de abrir a boca, ela tratou disso...

"Jessyca, o Barry tem a mesma tatuagem que o Tobias não tem!? Tu disseste-me no outro dia, depois do vosso encontro.".

"Sim, é verdade, o Barry tem essa tatuagem, mas não sei porquê. Não sei qual a ligação dele com a Princesa Maionese.", disse.

"Não sabes tu, mas sei eu.", disse o Tobias.

"Como assim?", perguntei.

"O Barry, ou Bartolomeu Querido, é nada mais nada menos que o assistente do Dr. Rato.", respondeu o Tobias.

Por muito que estivéssemos a processar tudo o que o Tobias nos estava a contar, realmente a conversa do Barry começava a fazer algum sentido, o amigo que já cá esteve no Sítio é o Dr. Rato e muito provavelmente ele estava à procura dele. Eu contei esta minha teoria ao grupo e todos acreditaram que poderia bem ser o que se estava a passar.

"Mas como tem ele a tatuagem? Esteve em contacto com a Princesa Maionese ou foi o Dr. Rato que lhe fez? Visto que é o Príncipe.", perguntou o Vasco.

"Ele é o Príncipe, mas na história o pai da Maionese tirou-lhe a memória, logo ele não podia ter feito a tatuagem.", disse a Ema.

"Aí está o mais interessante. Mesmo não conseguindo falar com a Princesa ou com o Dr. Rato, tive acesso um pequeno bilhete que foi encontrado no casaco do Dr. Rato.", disse o Tobias enquanto desdobrava um pequeno papel e o colocava na mesa.

No papel podia ler-se "NDIKHUMBULA".

"É suposto sabermos o que isso quer dizer?", perguntou a Ema.

"Não. Eu próprio tive de pesquisar. Isso está escrito em xhosa, uma língua da África do Sul, onde o Dr. Rato andou a fazer pesquisa durante uns tempos.", disse o Tobias.

"E o que quer dizer??", perguntei eu já bastante impaciente.

 

A resposta do Tobias foi algo que não estávamos à espera...

"O bilhete diz, "EU LEMBRO-ME"."

 

O SÍTIO.jpg

 

(Esta é uma série que já faz parte do blog d'A Hipster Chique há algum tempo e aqui está o décimo sétimo capítulo. Link dos restantes capítulos no inicio.) 

7 comentários

Comentar post