Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Hipster Chique

As trivialidades de uma geek, talvez um pouco hipster, com algum sentido de humor e criatividade q.b..

A Hipster Chique

As trivialidades de uma geek, talvez um pouco hipster, com algum sentido de humor e criatividade q.b..

Ter | 04.04.17

O Sítio . Capítulo I

CAPÍTULO, O PRIMEIRO

 

Estamos no ano 2055, muito lá para o futuro, onde as pessoas usam folha de alumínio como roupa e palitos como antenas Wi-Fi. Tudo parecia estar encaminhado no mundo, mas talvez não para toda a gente...

Lá para a zona do primeiro lado quadrado da Terra existe um ponto negro que não acompanhou a mudança no mundo e ainda vive como pessoas normais, tal era a rebeldia. Esse ponto negro era o Sítio.

Sítio, um local de 2000 habitantes, mais que a metade do dobro dos mortos do seu cemitério, onde o tempo não passou.

Ainda se vive com a cabeça enfiada no iPhone 19 e onde recusar amizade no Facwitter ainda era ofensa pública condenável com 13 anos de isolamento com os porcos que tem asas. Neste pequeno ponto do mundo existia um pequeno supermercado, o “Vareta do Sítio”, a farmácia dos Jessica, o centro de saúde para controlo da varicela do glúten, uma doença que se manifestou em 2019 pois sabe-se lá porquê toda a gente deixou de consumir, uma escola do primeiro e segundo ciclos e a infame Escola Secundária Situosa.

 

E sabem quem fala? O meu nome é Jessyca Jessica (não se lê o “y”) e era habitante do Sítio desde que a minha mãe me cuspiu do conforto do seu útero.

Isto bem poderia ser um diário, mas não, isto é o meu tresiário post mortem, porque ninguém tem paciência para escrever todos os dias e sim, estou morta e com o meu iPad, que São Pedro me deu para eu parar de colocar pionés na cama do Jesus. Sacana, denunciou-me!

A minha vida foi banal até aos 17 anos, depois disso já é outra história que eu vos quero contar...

 

Eu era a menina super popular da escola, pelo menos era isso que os postes e as colunas de betão onde me encostava todos os dias me diziam. Tinha um melhor-amigo, o Hugo Virgem e andávamos os dois no 12º ano. Hugo era gay e adorava os filmes do Rambo, conhecia-o desde os meus 4 anos e desde então não nos largamos.

No primeiro dia de aulas do 12º ano a nossa turma sofreu uma pequena alteração e íamos receber novos alunos. Estes vinham lá do continente Laranja, como era chamada a América após a vitória do presidente Barron Trump em 2048, herdou a pigmentação do pai, coitado.

Ema Luca e Tobias Pássaros Custódia mudaram-se para o Sítio e para a nossa turma na Escola Secundária Situosa e algo não estava certo com aqueles dois. Tinham um histórico familiar normalíssimo, como clamídia e os pais eram procurados por crimes de falsificação de penas de galinha, mas mesmo assim fiquei desconfiada que algo não estaria bem.

 

Ao toque da primeira aula lá entramos todos. Aula de Pinterest, era tempo de aprender como ferver unhas e usa-las para fazer velas.

Tobias olhou para uma rapariga do canto da sala e não tirava os olhos dela, em primeiro achei que estava a usar a janela como espelho para ver se tinha conjuntivite, eu já o fiz, mas depois percebi que estava a cair no encanto daquela vaca amestrada que é a... continuando.

De repente uma mensagem aparece no quadro de pano...

 

CAPÍTULO II     CAPÍTULO III    CAPÍTULO IV    CAPÍTULO V   CAPÍTULO VI   CAPÍTULO VII   CAPÍTULO VIII   CAPÍTULO IX 

CAPÍTULO X   CAPÍTULO XI

 

O SÍTIO.jpg

 

(Esta é uma série que comecei a escrever há pouco tempo e que pensei em colocar aqui o primeiro capítulo, para apreciação, crítica ou desencorajamento. Hei-de escrever todas as semanas, mas caso tenham sugestões para esta minha pequena história, por favor, contribuam, com pequenas ideias, capítulos, entre outros. Escrevam comigo ou deixem-me escrever para vocês, que acham?!)

4 comentários

Comentar post