Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Hipster Chique

humor . coisas . nerd . fluente em klingon . criativa - ish . comics . opinião

A Hipster Chique

humor . coisas . nerd . fluente em klingon . criativa - ish . comics . opinião

Sex | 24.11.17

O ÓRFÃO . CAPÍTULO IV

A Hipster Chique

CAPÍTULO III

 

 

!! P.S. Novo post no blog da rubrica "50 nomes que se dão...". O tema desta semana, Panteão !!

Já só falta um dia para votarem na primeira fase dos Sapos do Ano 2017 !

 

 

IV

 

 

Tomei então a decisão de contactar o Dr. Rato, pois o homem lida com coisas estranhas, não fosse o seu site, o Website Estranho e ia pedir ajuda com isto. Não vejo mais ninguém que fosse acreditar num miúdo.

Quem é aquela mulher e o que raio lhe aconteceu?

 

Ainda faltavam umas horas para o recolher obrigatório, que normalmente acontece uma hora antes da hora de jantar, por isso aproveitei e fui à escola buscar as informações de contacto do Dr. Rato e assim entrar em contacto com ele.

Assim que cheguei à escola, para surpresa minha, a Fitipa estava a falar com o Jaimi na entrada e antes que me vissem ou que eu os pudesse chamar, eles trocam um beijo na boca e eu fiquei um pouco em estado de choque. Não imaginava que houvesse sentimentos entre eles para além da amizade e muito menos percebia o porquê de me estarem a esconder isso. Fiquei no meu canto e após aquele beijo, cada um foi para o seu lado.

Ainda abalado, mas focado no meu objectivo, escondi-me nas escadas de um prédio porque o Jaimi estava a ir em direcção ao orfanato e assim que ele passou fui tirar as informações ao panfleto, que mesmo já estando gasto dava para ver a morada.

Confesso que cheguei a pensar duas vezes antes de me dirigir à casa de um estranho que tinha cara de quem me ia arrancar um rim e abandonar-me numa banheira cheia de gelo, mas com coragem suficiente toquei à campainha. Veio uma senhora idosa à porta...

"Sim? Diga lá o que quer.", disse a senhora com uma voz rouca e com um bafo de quem fuma desde que saiu da vagina da mãe... ou pai.

"Boa tarde. O meu nome é Barry e eu queria saber se aqui vive o Dr. Camões Rato. Precisava de falar com ele.", disse.

"Barry é nome de cão e doutor?? Doutor do quê?? Esse é o desajeitado do meu filho, que não se chama Camões, mas sim Cassandro, Cassandro Caça Rato. Está na cave, podes seguir.", respondeu a mulher apontado o caminho para a cave.

 

Bati e ouvi uma voz que dizia para entrar e ao abrir a porta da cave um pouco a medo, mal tive dez segundos para ver o estava lá dentro porque o Dr. Rato aparece-me à frente...

"Finalmente, um futuro assistente! Como te chamas filho?", disse ele.

"Olá Dr.. O meu nome é Barry e peço desculpa, mas não. Vinha aqui para falar consigo sobre outro assunto e não para me inscrever como seu assistente. Não me leve a mal, apenas não tenho tempo para essas coisas.", disse.

"Humm, compreendo. Também fica sabendo que tenho muitos candidatos ao lugar e que ainda bem que não te estás a inscrever porque isto será um concurso feroz e violento. Mas diz lá então, o que te traz à sede do WebSite Estranho?", perguntou o Dr..

"Claro, bem... por onde começar. Eu vi algo que não consigo muito bem explicar o que foi e como aconteceu, mas basicamente eu tenho visto uma mulher a vaguear as ruas e a meter-se em situações complicadas, como numa discussão com o segurança do SuperPitéu, uma visita ao Dr. Fizvaldo Pitéu e a desaparecer do nada no limite do bosque Pitesco. Como é uma situação estranha, penso que me poderia ajudar a saber quem é essa mulher.", expliquei da melhor forma que consegui.

"Curioso de facto... Vejo que és alguém atraído pelas obscuridades e estranhezas deste mundo. Tens a certeza que não te queres juntar à causa?", insistiu o Dr. enquanto andava de um lado para o lado.

"Sim, tenho. Apenas gostava de saber quem é aquela mulher e o que anda cá a fazer.", continuei.

"Já agora, porquê?", perguntou o Dr..

"Curiosidade, apenas curiosidade.", respondi.

"Tudo bem, eu ajudo-te a saber quem é essa mulher...", disse o Dr..

Fiquei imediatamente entusiasmado com a ideia... por estranho que parecesse...

"A sério? Muit...".

"Se fores meu assistente", interrompeu-me o Dr. Rato.

"Desculpe? Não. Isso está fora de questão. Não vou ser assistente de um estranho falso Doutor que tem um website sobre coisas estranhas.", disse.

"Curioso dizeres isso porque tu é que vieste ter com o estranho falso Doutor que tem um website sobre coisas estranhas para alimentar a tua curiosidade. Ou te juntas a mim como meu assistente ou podes esquecer a minha ajuda... Barry.", respondeu o Dr..

"Foi uma perda de tempo vir aqui negociar com um doido!", disse eu saindo abruptamente da cave e deixando a casa do Dr. Rato visivelmente irritado.

Tive de voltar para o orfanato a correr porque faltavam cinco minutos para o recolher obrigatório.

 

Mantive-me calado durante o jantar, muito por causa do que tinha acontecido com o Dr. Rato, mas também porque o Figo mostrou a sua colecção de potenciais fungos que tinha recolhido do pé direito durante o seu banho mensal. Outra pessoa que mal abriu a boca foi o Jaimi, que após o jantar dirigiu-se para o quarto. Decidi segui-lo e confronta-lo com aquilo que tinha visto entre ele e a Fitipa.

"Ei, Jaimi! Então, já nem dizes nada? Queres ir ver vídeos de anacondas a dançar com pintainhos bêbados? Ainda há uma colectânea que não vimos.", disse.

"Ei mano. Não, não me apetece. Acho que vou mesmo fazer os trabalhos de casa e depois descansar.", respondeu o Jaimi.

"Trabalhos de casa? Vá lá, não sejas assim. Precisamos pôr a conversa em dia. Quer dizer, a conversa de hoje, do que aconteceu hoje na nossa vida de diferente e do qual não tenhamos conhecimento.", disse eu, subtilmente.

"Tu viste-me com a Fitipa, não viste?", disse o Jaimi em jeito de confissão.

"Pois, vi. Não percebo porque não me contaste que andas com ela. Somos os três grandes amigos, porquê fazer disto um mistério?", perguntei.

"Bar, eu sei que tu achas que tudo continua na mesma, mas não. Nas férias fechaste-te no teu mundo da escrita e quase nunca ligavas à Fitipa ou a mim, que vivo mesmo na cama ao lado. Tu desligaste-te de tudo e todos e no primeiro dia de aulas ages como se nada se tivesse passado.", disse o Jaimi.

"Como assim?", perguntei um pouco confuso.

"Olha, eu não quero confusões. Mas foste tu que te afastas-te e nós sentimo-nos usados por ti, como se só servíssemos para o tempo de aulas. Já não somos os três grandes amigos... tu não foste um grande amigo durante três meses. Podemos continuar amigos, mas as coisas mudaram. Agora desculpa mas vou fazer os trabalhos de casa.", respondeu o Jaimi enquanto se afastava de mim.

 

"Terei eu afastado os meus amigos sem dar conta?, pensei eu...

A verdade é que estive a maior parte do tempo agarrado ao computador a escrever e mal sai para apanhar um ar. Apenas acho o Verão depressivo e muito calor faz-me mal ao espírito. Não quis ser negligente nas minhas amizades, mas também neste momento não conseguia pensar nisso, tinha aquela mulher na cabeça e não me ia tornar assistente de um maluco para conseguir saber quem ela era. Ou seja, o meu computador e algumas horas de pesquisa iam ter de fazer o trabalho por ele.

Pesquisei "mulher desaparece do nada", "mulher com arma estranha", que me fez encontrar páginas perturbadoras e até "mulher estranha aparece em cidade", mas todas as pesquisas foram um beco sem saída. Para pensar mais claramente, fui até ao meu blog ver o que se passava e reparei num comentário que tinha no meu último post...

 

"Ut oãn etsiv adan. Arap ed ratnet rarucorp satsip erbos meuq uos!"

 

Bastou pegar num espelho e lá estava "tU não viste nada. parA de tentar procurar pistas sobre quem sou!". A primeira pessoa que me veio à cabeça foi a mulher misteriosa, mas ela não tinha qualquer informação de quem eu era e não escrevi nada sobre ela no meu blog.

Mas escrevi sobre o Dr. Rato e ele percebeu que levo a curiosidade muito a sério e talvez tenha escrito este comentário para me colocar mais curioso e como não tenho uma solução, teria de virar assistente dele para obter ajuda. Mas isso não ia acontecer!

Respondi ao comentário...

 

"Volta para a cave da tua mãe e deixa-me em paz! Sou um menor, isto é perseguição!"

 

Penso que o ataquei bem com aquilo da cave da mãe. Mas quem sou eu para falar das escolhas dos outros em relação a locais onde decidem viver se eu vivia num quarto com um amigo que não quer saber de mim, um hipocondríaco e um rapaz novo cuja forma de comunicação é através de post-its.

Fui para a cama ler um pouco e dormir porque este dia já deu o que tinha a dar. 

 

Assim que me preparava para deitar recebo uma notificação de que alguém comentou a minha resposta no blog e quando abri a notificação não queria acreditar no que estava a ler...

 

 

CAPÍTULO V  

O ÓRFÃO.jpg

 

(Esta é a nova série aqui do blog, é um spin-off d'O Sítio sobre a personagem Barry e aqui está o quarto capítulo, uma introdução. Espero que gostem. Um capítulo novo todas as semanas.)  

2 comentários

Comentar post